7 de março de 2012

Minhas Dudas e meu Marcello Augusto

Fui dormir ontem meio incrédula com a vida. Calma, calma, já estou melhor. Alguns fatos acontecem e a gente simplesmente não entende, não é? Fui dormir ainda "passada", mas tive um sonho interessante. E eu super acredito em sonhos e que eles existem para nos fazer enxergar algumas coisas que não conseguimos quando estamos de olhos abertos.

Vou voltar um pouco a estória para vocês entenderem melhor. Eu sempre quis ter filhos. Sempre. Era uma certeza para mim. Marido, que já tinha um filho quando eu o conheci, disse que não pensava muito no assunto, mas como eu queria muito, topava ter um. Depois de 7 anos de casados, meu relógio biológico começou a dar sinais de que o momento de aumentar a família havia chegado! Engravidei bem rápido, mas acabei perdendo o bebê  - aborto espontâneo de 8 semanas - e perdi também o chão e a vontade de viver por algum tempo. Foi difícil. Mais do que eu imaginava. Passar de um estágio de euforia total para a depressão profunda em 1 minuto, não é fácil! Uma verdadeira montanha russa emocional e hormonal.

Depois de 4 meses, a médica autorizou tentarmos novamente. Nos empenhamos muito (ha, ha!), mas nada acontecia...Cada menstruação era um flash! Um drama, um sofrimento! Depois de 10 meses tentando, resolvi dar um tempo. Combinei com o marido que passaríamos Natal e Ano Novo tranquilos e lá para março tentaríamos novamente. Aprendi uma lição valiosa nesse momento. Mesmo sendo capricorniana, aprendi que é impossível planejarmos tudo em nossa vida.

A vida seguiu e um dia umas amigas me chamaram para ir comer um petit gateau. Eu sou chocólatra e bolífera. Imagina o efeito que um bolinho de chocolate cremoso tem na minha vida?! Mas aconteceu algo curioso, eu enjoei depois de comer o bolinho. E eu não enjoo com chocolate, seja a quantidade que for. Eu simplesmente não enjoo. Saí da lanchonete e fui direto na farmácia comprar um exame de gravidez. Cheguei em casa e li que só poderia fazê-lo no dia seguinte. Não aguentei e fiz xixi no potinho naquela hora mesmo. E deu positivo! E eu gritava pela casa sozinha! Liguei para o marido que me lembrou de confirmar pela amanhã com o exame de sangue.

No dia seguinte, às 6 da amnhã, estava no laboratório. Demorou 6 horas para sair o resultado, mas eu já sabia, eu já sentia...eu estava super grávida! Na mesma semana fui fazer a ecografia. Estava muito nervosa por causa da experiência anterior. O médico me acalmou dizendo que eu havia ido ali para saber que estava tudo bem e que seriam 2 bebês! E riu da brincadeira! Começou o exame, ele ligou o aparelho e disse bem sério: "Eu queria te dizer que eu sou muito bom! São 2!". Marido começou a ficar branco, roer as unhas e não falava mais nenhuma palavra, não emitia sons...estava em estado de choque! Não dá pra planejar mesmo, né?

Depois de algumas semanas, ficamos sabendo que esperávamos uma menina e um menino! Alegria total! Pacote completo com uma barrigada só! E Começamos a pensar nos nomes. Tarefa árdua. Na família do marido, todos os nomes começam com a letra M e ele queria manter a tradição. Por mim, tudo bem. Escolhi Marcelo. Acho um nome forte. Bonito. Marido gostou, mas queria que tivesse dois L, só pra complicar a vida da criança! Brincadeira, era para combinar com o sobrenome que tem dois também. Ok. Menino definido? Ainda não. Marido tem nome composto e o segundo é Augusto. Aí, veio com uma conversinha de que Marcello Augusto seria interessante...Tentei argumentar que ficaria um nome imenso, meio cantor sertanejo, mas topei.  

Eu queria chamar nossa filha de Duda, pois esse era o apelido de uma tia muito querida que havia falecido há alguns anos. Sabe daquelas pessoas que iluminam os lugares e as pessoas ao redor? Pois é, ela era assim! Linda por dentro e por fora. E foi embora cedo demais....cedo demais! Achei que se minha filha tivesse alguma coisa relacionada a ela, seria uma pessoa de sorte! Duda estava resolvido, mas e o nome? Fácil: Eduarda. Mas, como tinha a regra do M, ficou Maria Eduarda. Lindos, não? Eu acho! 

Agora que vocês já sabem quase tudo a meu respeito, vou explicar o que isso tem a ver com meu sonho. É que sonhei com minha tia. A Duda. Nos encontramos em um restaurante, lá em Belém do Pará. E ela me dizia que era uma pessoa de sorte, pois podia aparecer por aqui de vez em quando para nos ver e que fazia coisas bem normais como sair para jantar, ir a alguma festa, fazer unha (essa parte acho que apareceu na conversa por causa de algum resquício de pensamento do  meu do dia anterior, pois antes de dormir pensei que precisava dar um jeito de arrumar as unhas antes de sexta-feira!). E ela estava bem e feliz e muito bonita. E conversamos muito e eu não lembro de 1/3 do que falamos. Acordei com uma sensação muito boa. Sabe aquela sensação de que tudo vai dar certo? Pois é. Se ela veio até aqui para jantar comigo e com o marido, imagina do que ela é capaz de fazer?

4 comentários:

  1. Atè me arrepiei com o seu sonho... Com certeza ela esteve por aí iluminando sua casa em Milão e a sua família, da mesma forma que vc disse que ela fazia quando viva! Um beijo enorme Sheyla e conte conosco pra o que vc precisar. SEMPRE! Bjo em todos! Larissa

    ResponderExcluir
  2. Que lindo seu post!
    Depois de rir muito com a frase "uma barrigada sò", me emocionei muito no final. Aliàs, eh uma coisa que eu nao consigo explicar essa emoçao que sinto quando alguem me relata coisas assim: eu nao acredito nessas coisas, mas me emociono. Nao sei como explicar. Talvez conscientemente eu nao acredite, mas inconscientemente sim... nao sei. Sò sei que me emociono muito.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Luciana Aparecida Zago de Andrade13 de março de 2012 12:02

    Oi Sheyla!! Adorei seu post! Não sabia da sua outra Duda! Quem era? Que bacana esse sonho... Certamente ela está contigo! Como estão as coisas? Seu blog está cada vez melhor! Me divirto demais lendo seus posts! Bjs, saudades,Lu

    ResponderExcluir
  4. Quando meu post estava pronto, acredite ...deletei . Vou tentar refazer...
    Alias a primeira coisa, vc escreve com o humor que sabe quem escrevia assim: ela mesma a Duda, e mais estou impressionada, até pode ser que a unha tenha a ver com o que vc pensou, mas vc sabe Duda era ligadona em fazer as unhas, todas as semanas ela fazia com a Iraneide lembra dela???? e com isto se tornaram grandes amigas e Ira até hoje fala dela com um carinho que vc não imagina, fora que é espirita...e sempre esta falando dela. Alias tenho uma saudade enorme dela, vc não tem ideia.
    Seu blog é ótimo , eu que amo esta Europa viajo sempre com vcs...show de bola, bjs de sua 2a mãe

    ResponderExcluir